Cartas de David e Silo em 14 de janeiro de 2008

Olá Negro,
Envio um cálido abraço desde Sacramento.
Escrevo porque há algo que me preocupa segundo o que tenho ouvido sobre comentários feitos por você. 
Conforme fui informado, tais comentários foram feitos há aproximados 10 dias. Devido a que não circulou informação nenhuma até o momento, pensei em te perguntar diretamente.

A questão é que, segundo me foi dito (em segunda mão), em conversa que você manteve com alguns amigos – acho que em um jantar em Manantiales-, você disse que o ser humano não poderia mudar. Também fez alguns comentários sobre o tema que negavam a possibilidade de uma ‘mudança verdadeira’ no ser humano. Isto eu entendi como que você chegou a uma NOVA conclusão segundo a qual agora sustenta que os humanos não seríamos capazes de um nível de mudança essencial e profunda. Que diferente é pensar isto! E quanta distancia do que tem sido a nossa corrente de pensamento.

Bem, suponho que você disse o que foi informado, mas me pergunto: É ISSO QUE VOCÊ QUIS DIZER? E como eu/nós entendemos isso?

Pensando em mim, eu diria que devo enfrentar o fato –se é um fato- de que nós os humanos não somos capazes do tipo de Mudança Humanizadora verdadeira (transformação): situação que todos temos trabalhado para difundir ao longo de muitos anos... e que subitamente me DETÉM.... e busco e me pergunto o que é então o que estou fazendo (por outros) e em que tenho fé.

Já que ouvi estes comentários, tenho pensado nisto e tenho colocado todos meus projetos em espera, incluída a minha série “Siloismo”, até ser capaz de ENTENDER. Todos confiamos em teu pensamento e juízo em sentido superlativo, portanto, devo perguntar-te se é que todo o Relato/História mudou (?)
Obrigado Negro por considerar meus interrogantes...e digo mais uma vez que estás sempre em meus pensamentos.

Um grande abraço,
David.

____________________________________________

Olá David,

Sim, aproximadamente faz 10 dias houve uns belos jantares em Manantiales e em um deles se falou deste tema que me parece importante considerar.

É possível a mudança profunda e essencial no ser humano? Sim, assim eu acredito. Porém, distingo entre essa mudança inegável mas lenta, que começou nos primeiros hominídeos e a possibilidade de mudança essencial já não devida a uma simples mecânica evolutiva e nem a acidentes ‘naturais’, mas a uma direção, a uma intenção da consciência  humana sobre si mesma.

O tema é que as mudanças periféricas estão fazendo com que muita gente acredite que essas são as mudanças às quais se deve aspirar. Devemos ir mais além da Ciência e a Justiça para entender esta mudança. Com efeito, assim como temos destacado em varias oportunidades, aqueles que trabalham pelo avanço da Ciência e a Justiça fazem o melhor esforço para facilitar a superação do sofrimento facilitando as condições da mudança. Mas, é claro que até a Justiça e a Ciência vão se torcendo numa parábola apressada na que a busca de mudança está se orientando objetalmente, desconhecendo o mais importante da mudança essencial. Este esquecimento de si, este desconhecimento de superação da mecânica mental nos leva a questionar as possibilidades de mudança.

E aqui chegamos ao ponto dessa inquietante, mas saudável noite em que pudemos expressar: Não é possível a mudança essencial sem uma direção clara neste sentido. E a época está fechando o horizonte dessa direção mental.

Os que seguiram nossa trajetória de vários anos comprovaram que nossos trabalhos orientaram-se na direção da “mudança simultânea” e no Humanismo isto tomou grande potencia. Porém, o esforço para a mudança das condições mentais foi às vezes débil e às vezes intermitente.

Ponho os argumentos de modo um tanto brutal: Tudo o feito até este momento tem grande sentido mas não será suficiente até que as pessoas (mesmo as mais amáveis e bondosas) se decidam por Converter suas vidas advertindo a necessidade de uma mudança mental profunda. É disto que fala nosso trabalho em sua última fase, é disso  que fala a Mensagem.

Acredito que se nesta situação em que a Humanidade ( e obviamente também nós mesmos) está vivendo não se trabalhar superando toda a censura e auto-censura, nos lançando para os significados e os trabalhos da Mensagem, não será possível a mudança essencial. A direção deve ir para o Profundo da consciência para conectar com os significados que tem estado empurrando lentamente a evolução do ser humano. Agora é urgente e já não temos como fazer conhecer este impulso.

Quando naquele jantar falamos das dificuldades que enfrenta a mente humana, um desencorajamento correu como vento gelado entre os concorrentes. Ficou a sensação de que assim como estamos submersos em nossa humanidade, não penetramos no Profundo e se isso acontece não é possível a Mudança. Essa foi a parte mais triste do discurso à qual se respondeu com certo estoicismo: “...Não é muito esperançador o que dizes!”.

Embora, além da anedota, acredito que contamos com alguma conexão interna que se pode comunicar e isto é possível porque em todos nós está essa fonte insondável do Profundo da qual temos que beber suas águas.

Meu querido David, acho que muitos captaram a gravidade do momento atual e tua carta é um reflexo daquilo que aconteceu e que não se deteve.

Te envio o mais afetuoso abraço,

Negro.
 
Top